Santô e os Pais da Aviação

Passe o mouse para ampliar

Mais Visualizações

Santô e os Pais da Aviação

No catálogo desde: 25/11/2005

Seja a primeira pessoa a avaliar este produto

Disponibilidade: Fora de estoque

Preço Normal: R$57,90

Preço Promocional R$29,90

Você economiza: R$28,00 (48%)

Descrição Rápida

Santô e os Pais da Aviação

Detalhes

Santô e os Pais da Aviação Ilustrações: Spacca Capa: Spacca Páginas: 168 Formato: 21,00 x 28,00 cm Peso: 0,545 kg Acabamento: Brochura ISBN: 8535907459 O título honorífico pela paternidade da aviação é uma polêmica que se arrasta há um século. Quem teria tido o privilégio de ser o dono do vôo pioneiro de um equipamento mais pesado que o ar? Seria o brasileiro Alberto Santos-Dumont ou os Wright, dois irmãos norte-americanos? O cartunista Spacca resolve colocar sua colher nessa polêmica e conta, nos quadrinhos de Santô e os pais da aviação, a evolução da tecnologia aeroespacial a partir da biografia romanceada de Santos-Dumont e dos irmãos Wright, desde seus primeiros pendores e esboços até a efetiva invenção (e sucesso) do avião, em 23 de outubro de 1906. Durante o tortuoso percurso que levou ao vôo inaugural, há espaço para inúmeras peripécias, realizações e infortúnios vividos paralelamente pelos três, e por diversos outros inventores envolvidos com o sonho de voar. Fruto de um trabalho em conjunto, os primórdios da aviação são muito mais do que uma simples disputa entre nações, como o próprio Spacca explica com mais detalhe, na entrevista abaixo. Uma cronologia, um mapa da Paris de Santô, um texto introdutório e uma bibliografia acompanham a história. De onde surgiu a idéia do livro? A princípio, quis contar a história de Santos-Dumont por uma ótica nacionalista, para mostrar que os irmãos Wright não mereciam a glória de ter inventado o avião. Com o tempo e as pesquisas, fui me convencendo de que o avião foi uma espécie de invenção coletiva, e que os pioneiros se influenciaram mutuamente. Gostei de descrever essa "Babel" de inventores, um de cada país, perseguindo o mesmo sonho. E acho que esse ponto de vista é novo para o público brasileiro, que parece precisar ser sempre o campeão do mundo. Como foi o processo de criação? Durante muitos anos (desde 1979), desenhei o personagem e comprei livros relacionados ao tema e à época. Quando decidi fazer uma história em quadrinhos, trabalhei para dar forma dramática e divertida ao roteiro, mantendo fidelidade aos fatos. Só com o roteiro pronto é que procurei a editora. Foi difícil descobrir uma motivação para Santos-Dumont à altura da trajetória dos Wright (que eram pobres; é mais fácil torcer por um herói pobre...). Transformei a facilidade inicial de Santos-Dumont - que recebeu todas as condições para se dedicar exclusivamente aos seus aparelhos - em uma espécie de missão pesada, um fardo que o pai poderoso transmitiu a ele pouco antes de morrer. Como os Wright também tiveram um inspirador mártir, o Otto Lilienthal, estruturei o livro nessas duas histórias paralelas, que vão se cruzando e articulando, enquanto o mundo se encaminha para a Primeira Guerra Mundial. Você se inspirou em algum trabalho específico? As influências são inúmeras: assisti muito making-off de filme para aprender a estruturar uma história. Por exemplo, o tom da amizade de Santô com o cartunista Sem foi inspirada no filme Jules et Jim, de Truffault; outras vezes eu pensava em Spielberg, Zemeckis e outros cineastas. O personagem Jacinto de Tormes de A cidade e as serras, de Eça de Queiroz, inspirou em parte o "meu" Santô. Nos quadrinhos, peguei alguma coisa de Carl Barks (o inventor do Tio Patinhas) quanto ao uso de silhueta e nuvens com sombras negras, e também Uderzo (Asterix), Morris (Lucke Luke) etc. E tenho ainda lembranças da fazenda de café que meu avô administrava, em que passava férias quando era criança.

Informações Adicionais

Código Identificador (SKU) 3236
Editora Companhia das Letras
Formato Indisponível

Etiquetas de Produto

Use espaço para separar as tags. Use aspas simples (') para frases.